martes, 7 de octubre de 2008

Como Oxum Conseguiu O Segredo Do Jogo De Búzios

Oxum queria saber o segredo do jogo de búzios que pertencia a Exú e
este não queria lhe revelar. Oxum foi procurá-lo. Ao chegar perto do
reino de Exú, este desconfiado perguntou-lhe o que queria por ali, que
ela deveria embora e que ele não a ensinaria nada. Ela então o desafia
a descobrir o que tem entre os dedos. Exú se abaixa para ver melhor e ela sopra sobre seus olhos um pó
mágico que ao cair nos olhos de Exú o cega e arde muito. Exú gritava de dor e dizia;
- Eu não enxergo nada, cadê meus búzios?
Oxum fingindo preocupação, respondia:
- Búzios? Quantos são eles?
- Dezesseis, respondeu Exú, esfregando os olhos.
- Ah! Achei um, é grande!
- É Okanran, me dê ele.
- Achei outro, é menorzinho!
- É Eta-Ogundá, passa pra cá...
E assim foi até que ela soube todos os segredos do jogo de búzios, Ifá o Orixá da adivinhação, pela
coragem e inteligência da Oxum, resolveu-lhe dar também o poder do jogo e dividí-lo com Exú.
Conta-nos outra lenda, que para aprender os segredos e mistérios da arte da adivinhação, Oxum, foi
procurar Exú. Exú, muito matreiro, falou à Oxum que lhe ensinaria os segredos da adivinhação, mas para
tanto, ficaria Oxum sobre os domínios de Exú durante sete anos, passando, lavando e arrumando a casa do
mesmo, em troca ele a ensinaria.
E, assim foi feito, durante sete anos Oxum foi aprendendo a arte da adivinhação que Exú lhe ensinará e
conseqüentemente, cumprindo seu acordo de ajudar nos afazeres domésticos na casa de Exú. Findando os
sete anos, Oxum e Exú, tinham se apegado bastante pela convivência em comum, e Oxum resolveu ficar
em companhia desse Orixá. Em um belo dia, Xangô que passava pelas propriedades de Exú, avistou
aquela linda donzela que penteava seus lindos cabelos a margem de um rio e de pronto agrado, foi declarar
sua grande admiração para com Oxum. Foi-se a tal ponto que Xangô, viu-se completamente apaixonado
por aquela linda mulher, e perguntou se não gostaria de morar em sua companhia em seu lindo castelo na
cidade de Oyó. Oxum rejeitou o convite, pois lhe fazia muito bem a companhia de Exú. Xangô então irritado
e contrariado, seqüestrou Oxum e levou-a em sua companhia, aprisionando-a na masmorra de seu castelo.
Exú, logo de imediato sentiu a falta de sua companheira e saiu a procurar, por todas as regiões, pelos
quatro cantos do mundo sua doce pupila de anos de convivência. Chegando nas terras de Xangô, Exú foi
surpreendido por um canto triste e melancólico que vinha da direção do palácio do Rei de Oyó, da mais alta
torre. Lá estava Oxum, triste e a chorar por sua prisão e permanência na cidade do Rei. Exú, esperto e
matreiro, procurou a ajuda de Orumilá, que de pronto agrado lhe cedeu uma poção de transformação para
Oxum desvencilhar-se dos domínios de Xangô. Exú, através da magia pode fazer chegar as mãos de sua
companheira a tal poção. Oxum tomou de um só gole a poção mágica e transformou-se em uma linda
pomba dourada, que voou e pode então retornar em companhia de Exú para sua morada.