martes, 7 de octubre de 2008

Ogum livra um pobre de seus exploradores

Um pobre homem peregrinava por toda parte, trabalhando ora numa, ora
noutra plantação. Mas os donos da terra sempre o despediam e se
apoderavam de tudo o que ele construía. Um dia esse homem foi a um
babalawo, que o mandou fazer um ebó na mata. Ele juntou o material e foi
fazer o despacho, mas acabou fazendo tal barulho que Ogum, foi ver o que
ocorria. O homem, então, deu-se conta da presença de Ogum e caiu a seus
pés, implorando seu perdão por invadir a mata. Ofereceu-lhe todas as coisas
boas que ali estavam. Ogum aceitou e satisfez-se com o ebó. Depois
conversou com o peregrino, que lhe contou por que estava naquele lugar
proibido. Falou-lhe de todos os seus infortúnios. Ogum mandou que ele
desfiasse folhas de dendezeiro (mariwo), e as colocasse nas portas das casas
de seus amigos, marcando assim cada casa a ser respeitada, pois naquela
noite Ogum destruiria a cidade de onde vinha o peregrino. Seria destruído até o chão. E assim se fez. Ogum destruiu tudo, menos as casas protegidas pelo mariwo.