martes, 7 de octubre de 2008

Oxum É Destemida Diante Das Dificuldades Enfrentadas Pelos Seus

1. Ela usa sua sensualidade para salvar sua comunidade da morte. Dança com seus lenços e o mel,
seduzindo Ogum até que ele volte a produzir os instrumentos para a agricultura. Assim a cidade fica
livre da fome e miséria.
2. Oxum enfrenta o perigo quando Olorum, Deus supremo, ofendido pela rebeldia dos orixás, prende a
chuva no orum (Céu), deixando que a seca e a fome se abatam sobre o aiê (a Terra). Transformada
em pavão, Oxum voa até o deus maior levando um ebó, para suplicar ajuda. No caminho ela não
hesita em repartir os ingredientes da oferenda com o velho Oxalufã e as crianças que encontra.
Mesmo tornando-se abutre pelo calor do sol, que lhe queima, enegrecendo as penas, ela alcança a
casa de Olorum. E consegue seu objetivo pela comoção de Olorum.
3. Oxalá tem seu cajado jogado ao mar e a perna ferida por Iansã. Oxum vem para ajudar o velho,
curando-o e recuperando seu pertence. Ela é adorada por Oxalá.
4. Com grande compaixão, Oxum intercede junto a Olorum para que ele ressuscite Obaluaiê, em troca
do doce mel da bela orixá.
5. E ela garante a vida alheia também ao acolher a princesa Ala, grávida, jogada ao rio por seu pai.
Oxum cuida da recém-nascida, a querida Oiá.